/Pressão por saída de Vélez vai de ala militar a política e cria impasse no DEM

Pressão por saída de Vélez vai de ala militar a política e cria impasse no DEM

Apesar da defesa pública de Vélez, nos bastidores, a pressão pela troca do ministro, que coleciona polêmicas, também coleciona novas adesões.

De ministros da ala militar a parlamentares da base aliada, Vélez é descrito como um ministro na prorrogação. O impasse estaria em definir quem seria o substituto.

Dos argumentos contrários a Vélez colhidos pelo blog, até a defesa de que o presidente deveria ter escolhido um ministro brasileiro entrou nas rodas de conversas desta semana.

Além da conhecida briga de poder na pasta – Olavo de Carvalho versus ala militar – um novo imbróglio ganhou a semana: é o impasse sobre o eventual substituto de Vélez.

De um lado, há a defesa para que seja um nome do DEM – partido que já tem três ministros, além do presidente da Câmara e do Senado. Um dos nomes costurados para o MEC é o de Mendonça Filho, que ocupou o cargo no governo Temer.

O problema: dentro do próprio DEM, há dúvidas se o partido deveria trabalhar por Mendonça. Motivo? Diferentemente de Tereza Cristina e Luiz Mandetta, Mendonça representaria a cúpula, a própria “cozinha” do DEM dentro do Planalto.

Em outras palavras: o discurso de que a escolha dos ministros do DEM são, na verdade, escolhas pessoais do presidente Bolsonaro não vale para Mendonça. Ele é unha e carne com o presidente do partido, o prefeito de Salvador, ACM Neto, e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – dois personagens que não cansam de repetir que o DEM é independente.

Com Mendonça, o discurso não colaria, o que significa que o DEM entraria de corpo e alma no governo. Somado a isso, o partido ainda sente os traumas de ter mergulhado no governo de Michel Temer e, diante da crise ética que se instalou, ter sofrido derrota nas urnas – caso do próprio Mendonça.

Por isso, lideranças do partido ouvidas pelo blog afirmam que uma adesão mais orgânica do DEM ao governo Bolsonaro só acontecerá se o presidente der o cargo e o poder de decisão ao eventual indicado.

Oficialmente, no entanto, políticos afirmam que não houve nenhum aceno do Planalto a Mendonça. E que trata-se de uma defesa de grupos do DEM e de alguns ministros, que têm a expectativa de que o assunto MEC seja tratado no encontro deste sábado entre Bolsonaro e Maia.

Além de Mendonça, parlamentares afirmaram ao blog que há uma ala política que defende o nome de Anderson Correia, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), para o MEC.

Mas, claro, falta combinar com o presidente Bolsonaro – que é quem bate o martelo das nomeações e que, segundo o ministro da Casa Civil, mantém confiança absoluta em Vélez e não vai demiti-lo.

 — Foto: Editoria de Arte / G1 — Foto: Editoria de Arte / G1

— Foto: Editoria de Arte / G1