/Atritos acontecem porque alguns não querem largar velha política, diz Bolsonaro

Atritos acontecem porque alguns não querem largar velha política, diz Bolsonaro

SANTIAGO — Em café da manhã com representantes da Sociedade de Fomento Fabril (Sofofa) do Chile,
com a polêmica envolvendo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), dominando a agenda política local
, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) assegurou que “os atritos que acontecem no momento, mesmo estando calado fora do Brasil, acontecem na política lá dentro porque alguns, não são todos, não querem largar a velha política”.

Calcule aqui quanto falta para sua aposentadoria

Bolsonaro tentou transmitir otimismo aos empresários chilenos e em momento algum mencionou especificamente seu conflito com Maia:

— Acredito no Brasil e temos chance, sim, de sair dessa situação que nos encontramos com as reformas e a primeira delas, a mais importante, é essa da Previdência.

Em Brasília, neste sábado,
Maia fez duras críticas a Bolsonaro e questionou sua “falta de compromisso” com a reforma
da Previdência.
Questionado sobre a declaração de Bolsonaro comparando o episódio a um namoro
, Maia reafirmou ter convicção da necessidade da reforma e que Bolsonaro precisa parar de falar contra a mudança nas regras para aposentadoria.

— Não preciso namorar, conversar, tomar café, eu tenho convicção da matéria. O presidente nunca teve. Que bom que esteja construída essa convicção. Agora, ele precisa ter convicção, precisa parar de falar que ele é contra a reforma da Previdência, isso atrapalha, gera insegurança —  disse o presidente da Câmara neste sábado.

Em Santiago, o presidente defendeu a reforma e adorou um tom conciliador, mas voltou a atacar o que chama de “velha política”.

— Nós temos que dar certo. Não é um plano meu, é um plano do Brasil. Não temos outra alternativa a não ser fazermos essas reformas… Venho aqui com uma mensagem de fé, esperança, do coração. Podemos sair dessa situação — assegurou Bolsonaro.

Entusiasmado com o passeio que realizou na última sexta-feira no shopping Alto Las Condes, numa região nobre da capital chilena, o presidente mostrou-se de bom humor e fez até uma brincadeira:

— Será que não posso me naturalizar para me candidatar a presidente?

Ao explicar a delicada situação econômica brasileira, Bolsonaro comentou que a dívida do governo federal é de R$ 4 trilhões e que são gastos anualmente meio trilhão de reais com juros e encargos da dívida.

— Dada essa situação que nos encontramos é que acreditamos que o Parlamento vai aprovar as reformas. Obviamente com algumas alterações — ampliou o presidente.

Bolsonaro contou aos empresários que “a equipe econômica trabalha numa forma de desburocratizar a economia, desregulamentar muita coisa, tenho dito que na questão trabalhista devemos beirar a informalidade. Nossa mão de obra é uma das mais caras do mundo”.