/Análise: Corinthians não joga bem nas quartas, mas há motivos para a Fiel confiar no tri paulista

Análise: Corinthians não joga bem nas quartas, mas há motivos para a Fiel confiar no tri paulista

Dos quatro classificados para as semifinais do Paulistão, o Corinthians foi quem jogou pior nas quartas. Contra a Ferroviária, o Timão foi mal nas duas partidas, mas garantiu a classificação nos pênaltis.

Apesar das duas atuações decepcionantes, o Corinthians dá motivos para a Fiel torcida seguir confiante na conquista do tricampeonato estadual. Invicto há 12 jogos, o Timão já mostrou que cresce em jogos grandes, tanto que não perdeu clássicos nem jogos de mata-mata nesta temporada.

Essa “casca” será importante contra o Santos de Jorge Sampaoli, sensação neste início de ano, mas só isso não bastará. É preciso corrigir erros e jogar muito mais se quiser levantar a taça do Paulistão pelo terceiro ano seguido.

Diante da Ferroviária, mais uma vez o Corinthians apresentou lentidão na transição da defesa para o ataque, embora tenha criado mais do que no jogo em Araraquara.

Jogadores do Corinthians festejando gol sobre a Ferroviária — Foto: Renato Pizzutto/BP FilmesJogadores do Corinthians festejando gol sobre a Ferroviária — Foto: Renato Pizzutto/BP Filmes

Jogadores do Corinthians festejando gol sobre a Ferroviária — Foto: Renato Pizzutto/BP Filmes

Mesmo em casa, o Timão recuou as linhas e não se inibiu em deixar o adversário ter mais posse de bola (34% x 66%). Porém, a marcação não esteve tão encaixada e, em vários momentos, meias e laterais da equipe do interior receberam com espaço para jogar – foi assim no gol, quando Diogo Mateus infiltrou nas costas de Jadson.

Além disso, no segundo tempo, quando vencia por 1 a 0, a equipe se retraiu exageradamente e pagou caro.

A melhor válvula de escape novamente foi Clayson, o melhor em campo. O atacante buscou duelos individuais com seus marcadores, foi à linha de fundo e ainda mostrou fôlego para ajudar atrás. Foi dos pés dele que saiu o passe para o gol de Júnior Urso.

Clayson foi o melhor do Corinthians contra a Ferroviária — Foto: Renato Pizzutto/BP FilmesClayson foi o melhor do Corinthians contra a Ferroviária — Foto: Renato Pizzutto/BP Filmes

Clayson foi o melhor do Corinthians contra a Ferroviária — Foto: Renato Pizzutto/BP Filmes

Do outro lado, Love chegou mais à área do que Pedrinho, lutou bastante, mas esteve em noite sem tanta inspiração.

Há, porém, boas notícias. A maior participação de Ralf na construção de jogadas é uma delas. A correção da marcação nas jogadas de bola aérea, que vinha atormentando no começo do ano, também. Já faz seis jogos que o Timão não é vazado pelo alto.

O Corinthians chega a abril com incertezas na equipe e uma forma de jogar ainda em consolidação. Reconhecer que o Santos joga melhor no momento não significa dizer que é o favorito para ir à final.

As semifinais devem oferecer dois grandes duelos táticos, como foi o clássico alvinegro do último dia 10, quando o Corinthians mostrou que sabe como parar o rival – o duelo terminou empatado sem gols.