/Análise: São Paulo cresce na hora certa, e chegada de Cuca aumenta esperança de vaga na final

Análise: São Paulo cresce na hora certa, e chegada de Cuca aumenta esperança de vaga na final

E pode vencer a volta – ou ao menos empatar e levar a disputa aos pênaltis. Há sinais positivos nos últimos dias no clube, dentro e fora de campo, na bola e no ambiente, que dão esperança de classificação.

  • O crescimento de garotos como Antony e Igor Gomes.
  • O fortalecimento da defesa, que só levou dois gols nos últimos quatro jogos – e não foi vazada nas duas partidas mais recentes.
  • A vitória sobre o Palmeiras na briga pela contratação de Alexandre Pato.
  • E a própria chegada de Cuca.

O treinador encontrará um time melhor do aquele que ele observava quando foi contratado, um mês e meio atrás. O torcedor mais rabugento vai argumentar, com toda a razão, que piorar era impossível. Mas a questão é que Vagner Mancini fez um bom trabalho como interino – agora, volta à função de coordenador de futebol.

Cuca chega terça-feira ao São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.netCuca chega terça-feira ao São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Cuca chega terça-feira ao São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Com Mancini, o São Paulo se tornou um time de jogadores que jogam mais próximos. Ganhou compactação, e o tanto que Liziero aparece em campo é consequência disso. Mas ganhou, mais do que tudo, juventude, frescor. Antony cresceu, Igor Gomes angariou espaço, e o São Paulo se tornou um time mais ágil, mais vivo.

Cuca é melhor treinador do que Mancini – seu currículo prova isso. Ele tende, com o tempo, a melhorar uma equipe que dá indícios de começar a superar seu obstáculo mais imediato: o peso de tanta pressão (consequência natural de tantas e tantas decepções).

Vagner Mancini melhorou o time do São Paulo no mês e meio em que esteve no comando — Foto: Marcos RibolliVagner Mancini melhorou o time do São Paulo no mês e meio em que esteve no comando — Foto: Marcos Ribolli

Vagner Mancini melhorou o time do São Paulo no mês e meio em que esteve no comando — Foto: Marcos Ribolli

Mas o primeiro passo de Cuca, o clássico de domingo na Arena do Palmeiras, terá que ser mais tímido: uma mistura entre continuidade do trabalho realizado por Mancini e injeção de ânimo pela chegada de um novo comandante.

Há uma mudança em curso, e é interessante observar a postura de Mancini ao rejeitar a tese de que o Palmeiras é favorito para passar à final. Na prática, é. Tem mais time, tem jogadores melhores, joga em casa. Mas há ventos, mesmo que tímidos, soprando a favor do São Paulo.

Os clássicos vêm maltratando o clube do Morumbi nos últimos anos. É surreal que ele jamais tenha conseguido sequer empatar com o Palmeiras em sua nova arena – os alviverdes venceram todos os sete jogos que fizeram contra o São Paulo por lá. Mas clássicos também podem ser catalisadores de mudanças.

Neste sábado, no Morumbi, já foi possível jogar (um pouco) melhor do que o rival e lamentar o empate. Repetir o cenário no domingo que vem não soa como delírio.