/Ninguém tem de ficar preocupado com a alta do dólar, diz Paulo Guedes

Ninguém tem de ficar preocupado com a alta do dólar, diz Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta sexta-feira (17) que não há motivos para se preocupar com a recente turbulência no mercado financeiro. Nos últimos dias, investidores têm demonstrado preocupação com a capacidade do governo de avançar com a agenda de reformas, em especial as medidas da área fiscal.

Nesta sexta, o dólar chegou a valer R$ 4,1122, maior cotação intradia desde 20 de setembro do ano passado. Já a bolsa de valores fechou abaixo dos 90 mil pontos.

“Se a bolsa cai ou o dólar sobe um pouco, isso é barulho. Ninguém tem de ficar preocupado”, disse Guedes durante participação em evento no Rio de Janeiro. “Tem uma dinâmica mais forte, construtiva e positiva (sendo construída na economia brasileira).”

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defende a reforma da Previdência em comissão na Câmara — Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilO ministro da Economia, Paulo Guedes, defende a reforma da Previdência em comissão na Câmara — Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defende a reforma da Previdência em comissão na Câmara — Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Os investidores monitoram, sobretudo, a capacidade política do governo Jair Bolsonaro de aprovar no Congresso uma reforma da Previdência que traga uma recuperação robusta da economia. Considerada pelo mercado uma medida fundamental para o acerto das contas públicas, a proposta de reforma apresentada pela equipe econômica prevê um impacto fiscal de R$ 1,2 trilhão em 10 anos.

“Se fizermos uma reforma de R$ 1 trilhão, temos potencial para lançar o sistema de capitalização”, afirmou Guedes. “Na minha relação com o Congresso, tenho visto muita sensibilidade com o tema.”

Com uma eventual aprovação da Previdência, o ministro acredita que as expectativas com a economia brasileira vão melhorar a partir do segundo semestre. Na terça-feira, em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento, Guedes disse que a economia do país está no “fundo do poço” e reduziu a previsão de crescimento da economia deste ano de 2% para 1,5%.

“O crescimento não está caindo, o que está caindo são as expectativas de crescimento que estavam altas”, afirmou Guedes nesta sexta.

O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), divulgado pelo Banco Central, indicou que a economia brasileira encolheu 0,68% no 1º trimestre. Com o fraco início de ano, bancos e consultorias estão reduzindo as expectativas para a economia neste ano e prevendo um crescimento próximo de 1%.

“Daqui a dois, três, quatro meses vamos ter um desfecho virtuoso, e as expectativas vão ser mais favoráveis.”